Pequeno inlay permite etiquetar materiais farmacêuticos diversos


A empresa francesa de etiquetas RFID, Tageos, lançou um inlay RFID UHF de pequenas dimensões, denominado EOS-202 U9, projetado para rastreamento farmacêutico. De acordo com a empresa, o novo inlay tem como objetivo atender qualquer aplicação em que as etiquetas possam ser aplicadas diretamente em produtos, como frascos e seringas.

A empresa chama o EOS-202 U9 de o menor inlay RFID para aplicações farmacêuticas e de saúde. Ele mede 20 milímetros por 10 milímetros e ganhou a certificação Dose-ID Consortium ARC Spec S do Laboratório RFID da Auburn University. O inlay tem como objetivo etiquetagem RFID para empresas farmacêuticas e outras na cadeia de abastecimento da saúde, e agora está disponível em formatos para materiais secos, úmidos e de papel.

O uso de RFID para identificar automaticamente produtos farmacêuticos e dispositivos está crescendo, relata a empresa, com mais empresas farmacêuticas marcando produtos no ponto de fabricação. Na verdade, os clientes farmacêuticos estão aproveitando os benefícios de rastreamento de estoque e cadeia de suprimentos que uma etiqueta RFID pode fornecer ao ler as etiquetas à medida que as mercadorias são recebidas, armazenadas e administradas. As soluções RFID, como o sistema de rastreamento de medicamentos da Kit Check, permitem que as empresas saibam onde seus produtos estão localizados e quando vão expirar.

A Dose-ID é uma entidade certificadora de etiquetas no mercado farmacêutico. O consórcio está trabalhando com o RFID Lab da Auburn para garantir que os novos produtos UHF RFID atendam à especificação ARC Spec S para uso com medicamentos e dispositivos médicos. No entanto, existem poucas opções de tags uniformes que atendem a todos os fatores de forma. Devido ao tamanho pequeno das unidades de medicação única, a presença de líquidos em alguns casos e os materiais de superfície múltiplos – que variam de vidro a embalagens de papelão – existem poucos materiais universais que funcionam para todos os produtos, diz Chris Reese, Chefe de produto da Tageos gestão.

Isso, explica Reese, significa que os conversores de etiquetas devem construir etiquetas com uma variedade de incrustações para atender aos requisitos de cada produto. Em muitos casos, diz ele, os rótulos que fornecem o melhor desempenho são muito grandes para os itens que estão sendo usados ​​para rastrear. Por causa dos desafios que envolvem tamanho e desempenho, as etiquetas são frequentemente aplicadas à embalagem secundária, e não diretamente aos produtos.

Nos últimos três meses, a Tageos tem projetado o inlay EOS-202 U9 para fornecer desempenho de qualidade Spec S em um formato pequeno, relata a empresa. Ele aproveita o UCODE 9 IC da NXP e um design de antena de pequeno porte. A antena mede 20 milímetros por 10 milímetros (0,8 polegada por 0,4 polegada), enquanto um inlay úmido com adesivo mede 22 milímetros por 12 milímetros (0,9 polegada por 0,5 polegada). Com o chip UCODE 9, o inlay oferece recursos que incluem tecnologia de ajuste automático, identificadores exclusivos de marca e memória de código eletrônico de produto de 96 bits pré-serializada.

O inlay foi testado em todos os tipos de itens e materiais de acordo com a ARC Spec S para aplicações de saúde e farmacêuticas, diz Jeremy Wade, Diretor de Desenvolvimento de Negócios da Tageos para as Américas, e provou que pode ler tags a uma taxa próxima de 100 por cento. Essa qualidade de desempenho é consistente, acrescenta ele, quer a etiqueta seja usada em frascos de vidro líquido claro ou âmbar, frascos de pó de vidro transparente, seringas de polímero olefínico cíclico ou plástico, tampas de seringas de plástico ou frascos de plástico. Por causa dessa versatilidade, a empresa espera que os inlays identifiquem automaticamente unidades únicas em hospitais e farmácias, bem como em toda a cadeia de suprimentos.

O Dose-ID Consortium, que ajudou a criar os requisitos de certificação Sec S, foi fundado pela Kit Check, o maior fornecedor de hardware e software usado para ler essas tags no ambiente de saúde. Spec S fornece limites de desempenho para produtos farmacêuticos usados ​​com aplicativos Kit Check. Antes do lançamento do Spec S, explica Reese, várias soluções RFID foram usadas para permitir o rastreamento de medicamentos em ambientes de saúde, e a falta de uma única especificação universal tornou o lançamento mais complexo. “Nosso objetivo”, afirma ele, “tem sido atingir os padrões Spec S com as menores dimensões possíveis”.

O novo embutimento “resolve alguns problemas”, diz Wade. Ele permite que as empresas farmacêuticas realizem a rotulagem diretamente em seus produtos, ele explica, enquanto permite que os conversores comprem um tipo de embutimento para todas as suas necessidades ou propósitos, em vez de ter que fornecer vários embutidos para usos muito específicos. Tradicionalmente, os conversores muitas vezes tinham que personalizar inlays para produtos farmacêuticos específicos; alguns podem exigir etiquetas muito pequenas, enquanto outros podem precisar aplicar inlays úmidos e outros podem preferir rótulos de manga retrátil.

A empresa oferece os inlays em rolos em uma de duas opções de orientação: ou como formato de borda larga do inlay ou como formato de borda estreita, em que a borda menor do inlay coincide com a borda menor do rolo. Isso fornece aos conversores a escolha de como montar etiquetas usando rolos. Alguns conversores exigem o formato de borda estreita para o processo de fabricação de etiquetas, diz Wade.

Desde o seu desenvolvimento, o EOS-202 U9 atraiu a atenção de outros mercados para aplicações além de produtos farmacêuticos e de saúde, relata Reese, inclusive para rastreamento de cosméticos no varejo. Algumas empresas farmacêuticas têm adiado a adoção do RFID até que estejam disponíveis inlays que possam realizar a marcação de toda a gama de materiais que produzem. “Isso ajuda no processo de adoção da tecnologia”, afirma.

(Fonte: IOP Journal, 30 de setembro de 2021)