Setor de alimentos para fins especiais apresenta crescimento de 13% nos últimos seis anos


Suplementos alimentares e bebidas dietéticas estão entre os produtos de aumento no consumo aparente em 2023

Entre os anos de 2018 e 2023, o setor de alimentos para fins especiais registrou um aumento de 13% no seu consumo aparente. Esse dado é calculado pela Websetorial em boletim econômico divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (ABIAD).

Quando comparado ao ano de 2022, o setor apresentou um breve recuo de 0,2%, ainda assim complementos alimentares e suplementos vitamínicos obtiveram uma evolução de 2,3%, enquanto bebidas dietéticas ou de baixas calorias alcançaram um aumento de 8,4%.

“Estamos continuamente progredindo para satisfazer as necessidades nutricionais da população e para impulsionar o desenvolvimento da indústria de alimentos para fins especiais. As informações recentes confirmam que o setor desempenha um papel importante na saúde e no bem-estar das pessoas, durante todos os ciclos da vida”, afirma Thaise Mendes, nutricionista e presidente da ABIAD.

O recente boletim também computa 5,5% de evolução em contratações do setor, no comparativo entre 2023 e 2022. A indústria de alimentos para fins especiais atualmente emprega mais de 170 mil pessoas, trabalhando desde a fabricação até o comércio destes produtos.

Alimentação e suplementação são fortes aliadas da saúde do idoso

Entre os anos de 2018 e 2023, o setor de alimentos para fins especiais registrou um aumento de 13% no seu consumo aparente. Esse dado é calculado pela Websetorial em boletim econômico divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (ABIAD).

Quando comparado ao ano de 2022, o setor apresentou um breve recuo de 0,2%, ainda assim complementos alimentares e suplementos vitamínicos obtiveram uma evolução de 2,3%, enquanto bebidas dietéticas ou de baixas calorias alcançaram um aumento de 8,4%.

“Estamos continuamente progredindo para satisfazer as necessidades nutricionais da população e para impulsionar o desenvolvimento da indústria de alimentos para fins especiais. As informações recentes confirmam que o setor desempenha um papel importante na saúde e no bem-estar das pessoas, durante todos os ciclos da vida”, afirma Thaise Mendes, nutricionista e presidente da ABIAD.

O recente boletim também computa 5,5% de evolução em contratações do setor, no comparativo entre 2023 e 2022. A indústria de alimentos para fins especiais atualmente emprega mais de 170 mil pessoas, trabalhando desde a fabricação até o comércio destes produtos.

Alimentação e suplementação são fortes aliadas da saúde do idoso

A população 60+ em nossa sociedade está crescendo. De acordo com a Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos últimos 10 anos, o percentual de idosos a partir de 60 anos saltou de 11,3% para 15,1%. Além disso, a previsão é que chegue a mais de 58 milhões de pessoas até 2060. Diante disso, também aumenta a atenção ao bem-estar e saúde desse grupo.

Dentre fatores fundamentais para manter a qualidade de vida do grupo em expansão, a alimentação desempenha um papel crucial. O Infográfico “Desafios nutricionais para envelhecer com qualidade de vida. Panorama do envelhecimento no Brasil 60+“, elaborado pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (ABIAD), aponta que, a longo prazo, pessoas idosas com maiores ingestões proteicas perdem menos área muscular e índice de massa corporal.

Enfrentar esses desafios alimentares é uma forma de manter a saúde física e mental. Nutrição e exercícios físicos integram ações de cuidados da pessoa idosa, além de atuar na prevenção de doenças como osteoartrite e sarcopenia. Nesse contexto, a suplementação alimentar, devidamente conduzida por profissionais de saúde qualificados, é forte aliada na promoção de um envelhecimento mais saudável e ativo.

Alterações fisiológicas do envelhecimento e o papel da terapia nutricional

As mudanças que ocorrem no envelhecimento podem ser categorizadas em duas amplas categorias: física/fisiológica e psicossocial. E a nutrição tem papel essencial nesse processo. Por isso, a avaliação por profissionais de saúde sobre a necessidade da utilização de suplementos alimentares específicos para cada indivíduo pode ser indicada para este grupo.

Kathia Schmider, nutricionista e Coordenadora Técnica da ABIAD, destaca a importância da conscientização sobre a nutrição adequada para os idosos. “À medida que a população idosa cresce, é essencial que todos reconheçam a importância de uma alimentação adequada e da suplementação para um envelhecimento saudável e de qualidade. A combinação desses elementos pode ajudar a proteger a saúde e o bem-estar dos idosos, permitindo que desfrutem plenamente dessa fase da vida”, complementa.

Há um extenso portfólio de suplementos alimentares que atendem a essas necessidades específicas dos idosos, dentre eles, destacamos os suplementos à base de vitaminas, minerais e proteínas.

Bebidas com adoçantes possuem melhorias e contribuem para perda de peso

Um novo estudo publicado pela prestigiada revista médica JAMA Network Open, em artigo assinado pelos especialistas do Grupo de Estudos de Diabetes e Nutrição (DNSG) da Associação Europeia para o Estudo da Diabetes (EASD), confirma o papel benéfico das bebidas com adoçantes na redução do peso e indica que as melhorias são semelhantes às da água, quando comparadas a bebidas açucaradas (SSB). As bebidas com adoçantes contribuíram para a redução do peso corporal, índice de massa corporal (IMC), da percentagem de gordura corporal e do acúmulo de gordura no fígado em adultos com excesso de peso ou obesidade, com diabetes ou propensos ao desenvolvimento da doença.

Os resultados do estudo confirmam que as melhorias apresentadas pela substituição do açúcar por adoçantes foram semelhantes à substituição por água, possibilitando que as bebidas com adoçantes possam fazer parte de uma estratégia benéfica para a substituição daquelas que levam o açúcar como ingrediente. E ainda na redução do risco de desenvolvimento de doenças cardiometabólicas (obesidade, hipertensão, pressão arterial, ácido úrico, diabetes, entre outras). Fatores esses que, quando interrelacionados, podem causar infarto e AVC.

A meta-análise incluiu 17 estudos randomizados controlados (que proporcionam maior qualidade de provas e proteção contra possíveis enviesamentos) com 24 comparações e duração média de 12 semanas. Participaram 1.733 adultos com excesso de peso ou obesidade, e que tinham diabetes ou propensão a desenvolvêla. Foram ainda examinadas a associação entre a ingestão de bebidas com adoçantes e de açúcar e os fatores de risco cardiometabólicos.

Os resultados mostram que a substituição das bebidas adoçadas com açúcar por bebidas com adoçantes estava associada a pequenas, mas significativas, reduções no peso corporal, que variavam entre -0,41 kg até -1,71 (média de -1,06 kg), índice de massa corporal, percentagem de gordura corporal, entre outros.

Kathia Schmider, Coordenadora Técnica da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres, ABIAD, comenta: “os adoçantes são alternativas seguras, que podem ser utilizados em bebidas e alimentos para proporcionar uma ampla escolha de opções de sabor doce com baixo teor calórico ou sem calorias”. A especialista completa: “e para pessoas com excesso de peso ou obesidade ou com diabetes, por exemplo, ter opções seguras e saborosas no dia a dia é um benefício importante como alternativa para controlar e gerir o peso corporal e os níveis de glicose no sangue”.

(Fonte: Food Connection, 23 de maio de 2024)