Uma fatia especial do mercado de queijos

Uma fatia especial do mercado de queijosUma turma de seis amigos se reúne para uma tradicional degustação de queijos e vinhos na casa de um casal em um bairro nobre de São Paulo. Nada demais se não houvesse uma câmera, dois pesquisadores e a gerente de um dos fabricantes do produto, que queriam entender o quanto o público consumidor entende de queijos finos e em quais ocasiões o produto é consumido. Por trás disso, a estratégia da Vigor – dos irmãos José e Wesley Batista, donos também da JBS – que tem em seu portfólio marcas como Serrabella e Faixa Azul e quer abocanhar parte da fatia do mercado de queijos especiais, que já responde por 30% do total das vendas de queijo no país.

Silmara Figueiredo, assessora de marketing da Associação Brasileira das Indústrias de Queijo (ABIQ), lembra que muçarela, prato e requeijão culinário ainda representam os outros 70% do mercado. “Porém, o consumo dos especiais cresceu no país. Além do aumento da renda, podemos citar também como razão o aumento da oferta de produtos desta categoria. Queijos como o gorgonzola e provolone já estão mais popularizados”, ressalta.

Segundo o maître fromager, Jair Jorge Leandro, São Paulo representa mais de 60% do consumo de queijos especiais no país e o Rio de Janeiro tem uma participação de 15%. Os 25% restantes são distribuídos entre os estados do Sul e as capitais do Nordeste.

“O Brasil já é o sexto maior produtor de queijos do mundo, porém possui um consumo per capita ainda muito baixo, de pouco mais de 4 kg por habitante por ano, enquanto a França apresenta um consumo de 27 kg e a Itália 24 kg. A questão é que precisamos mais do que dobrar a nossa produção para atingirmos um nível de consumo pelo menos similar ao da Argentina”, destaca.

A Vigor tem apostado na aceleração da inovação e de novas tecnologias que tem chegado ao país para produzir queijos tão bons quanto os importados. “O foco da empresa são os lácteos e os queijos. E apostamos no crescimento do mercado dos queijos chamados especiais. Os queijos finos serão a alavancagem de crescimento”, diz Anne Napoli, diretora de marketing da empresa.

Leandro reforça, porém, que principalmente os queijos produzidos a partir do leite cru, ainda têm aqui a mesma qualidade da encontrada em marcas de fora do país.

Anne afirma que os queijos especiais produzidos pela companhia já são bem conhecidos pelo público. “O Faixa Azul é o queijo parmesão há mais tempo no mercado. O volume de vendas das marcas premium é menor, mas elas são forte em valor. O mercado de queijo não tem muitos concorrentes locais, o que é uma vantagem para nós”, destaca.

A estratégia de marketing da empresa, que possui ainda marcas como Danubio, Leco, Carmelita, Amélia, Mesa, Jong e Vigor Food Service, varia de acordo com o perfil dos consumidores.

“Para o Faixa azul, que é um queijo mais gourmet, optamos pela TV a cabo e meios impressos mais sofisticados. Já para Danúbio, por exemplo, voltada para um público mais jovem e antenado, temos um grande trabalho de divulgação na internet”, explica Anne.

Outra aposta da Vigor são os fondues. Esta semana será lançado o produto com a marca Faixa Azul, que será o primeiro a ter como base o queijo parmesão. “Já temos o produto com as marcas SerraBela e Danubio”, completa a executiva.

O grande desafio da Vigor tem sido administrar o seu portfólio extenso, que vai desde margarinas a queijos finos, passando por iogurtes. “O consumidor não relaciona as nossas marcas e nem temos esse interesse. Cada uma delas conversa com um público específico. Temos produtos com aderência em diferentes canais de venda”, ressalta Anne.

Para o professor de gestão de marcas e marketing estratégico da ESPM, Marcos Badendo, a vantagem de se trabalhar as marcas separadamente é que os trabalhos de divulgação podem ser completamente diferentes. “Por outro lado, uma desvantagem é que as sinergias entre os produtos têm menos maneiras de serem exploradas. As associações podem sim ser bem positivas”, diz ele.

(Fonte: Brasil Econômico, 15 de junho de 2013)