Soluções para congelados contribuem para a redução do desperdício de alimentos

Soluções para congelados contribuem para a redução do desperdício de alimentosSegundo o Instituto Akatu, 30% dos alimentos comprados pelos brasileiros vão para o lixo. O impacto ambiental desse desperdício é enorme, pois significa jogar fora os recursos investidos na agricultura, produção, transporte e comercialização. Mas as atitudes estão mudando, a sociedade está consciente da necessidade de se adotar hábitos mais sustentáveis e saudáveis, e, por isso, a indústria tem oferecido uma série de soluções para a segurança no fornecimento de alimentos, para ampliar o shelf life e melhorar o seu aproveitamento.

Entre essas opções, os produtos congelados são um claro exemplo de uma das tecnologias aplicadas em alimentos industrializados para se reduzir o desperdício.

Da produção à embalagem, diversas tecnologias são aplicadas para garantir a conservação, a estrutura e as características do alimento congelado até o momento do consumo. Para evitar o transbordamento ou explosão de recheios de alimentos congelados no momento de serem aquecidos, as marcas podem adicionar, por exemplo, uma solução como a da linha Methocel™ Heatset da Dow que forma um gel durante o processo de aquecimento e retorna à textura desejada à medida que o produto resfria. Isso garante pratos com a mesma boa aparência que tinham antes de ir ao forno.

Outros aditivos aplicados em produtos congelados ajudam os alimentos a manterem o formato e a textura durante o preparo e também evita a separação de fases que geralmente ocorre com produtos lácteos, melhora a estabilidade em processos de congelamento/descongelamento e, por fim, oferece a propriedade de liga desejada durante o aquecimento ou fritura. “A vida do consumidor hoje exige praticidade, sem perda de qualidade. É para garantir essas características que as empresas trabalham para oferecer diversas soluções”, afirma Vanessa Azevedo, gerente de marketing da área de Pharma & Food Solutions da Dow para a América Latina.

Para que o produto chegue com qualidade ao consumidor, as embalagens congeladas exigem propriedades mecânicas excelentes como resistência à perfuração e a baixas temperaturas, além das boas propriedades óticas para ter uma melhor aparência para o consumidor. E as empresas do setor de embalagens vêm aprimorando suas soluções para oferecer facilidades e atender às exigências do mercado com resinas de alto desempenho que ofereçam a proteção adequada aos diferentes tipos de alimentos. “A Dow conta com diversos produtos para proteção de diferentes tipos de alimentos, são linhas que garantem barreira à umidade, barreira ao oxigênio, e combinação de barreira a oxigênio e umidade para acondicionamento de produtos como carnes, aves, vegetais e outros”, explica Dolores Brizuela, gerente de marketing para Embalagens de Alimentos e Especialidades da Dow na América Latina.

A evolução das tecnologias e o conhecimento dos requerimentos das aplicações para o mercado de embalagens de alimentos, considerando as novas tendências do mercado e dos consumidores, são fundamentais pra redução efetiva dos desperdícios e a transformação do consumo para soluções cada vez mais sustentáveis. “Nossa linha de resinas de alto desempenho permite trazer soluções mais eficientes e sustentáveis para o mercado, com maior confiabilidade nos processos de empacotamento, proteção contra contaminantes e oferecendo possibilidade de um menor consumo de materiais, de acordo com a crescente preocupação em relação ao meio ambiente”, afirma Angels Domenech, gerente técnico de Alimentos e Especialidades da Dow para a América Latina.

De acordo com dados auditados pela Mintel, nos últimos dois anos houve o lançamento de 447 produtos industrializados de carne, peixe e ovos (congelados, embutidos, etc.). A BRF foi a empresa que mais lançou produtos no período, seguida pela Seara na segunda colocação, Leardini Pescados (3º), Cooperativa Central Aurora Alimentos (4º) e Cooperativa Central Oeste Catarinense (5º).

Neste período, os produtos de peixe foram os que tiveram o maior número de lançamentos, seguido dos produtos de aves em segundo, produtos de carne (3º), ovos e produtos de ovos (4º) e substitutos de carne (carne de soja) na quinta colocação.

Durante o período as embalagens flexíveis foram as mais utilizadas, seguidas pelo sachê em segundo lugar, caixa de cartão (3º), bandeja (4º) e lata (5º). Já para os produtos que possuem embalagem secundária a caixa de cartão foi a embalagem mais utilizada, seguida pela embalagem flexível em segundo, sleeve (3°), stand-up pouch (4º) e sachê (5º).

Soluções para congelados contribuem para a redução do desperdício de alimentos (Fonte: Portal Embalagem & Tecnologia / Centro de Informações ABRE, 11 de outubro de 2013)