Setor de transformados plástico deve fechar 2013 com crescimento de 1,6%. Em 2014, a projeção de alta é de 1,8% puxada pela demanda de embalagens para alimentos

Setor de transformados plástico deve fechar 2013 com crescimento de 1,6%. Em 2014, a projeção de alta é de 1,8% puxada pela demanda de embalagens para alimentosA produção física do setor de transformados plásticos deve fechar 2013 com crescimento de 1,6%, passando de 6,66 milhões de toneladas em 2012 para 6,76 milhões. Os resultados preliminares do ano foram apresentados no último dia 02 pelo presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), José Ricardo Roriz Coelho.

O segmento de laminados foi o que apresentou maior expansão, com 8,3%. Em seguida aparece o de artefatos diversos, com alta de 1,2%, e o de embalagens, que registrou queda de 0,3%. “Os laminados foram puxados especialmente pelo setor automotivo, cuja expansão foi considerável este ano devido à política de crédito e incentivos fiscais. Por outro lado, a importação de alimentos embalados aumentou bastante, prejudicando a participação da nossa indústria nesse segmento”, afirma Roriz.

De acordo com a análise trimestral, o segundo período (abril/maio e junho) foi o mais favorável ao setor, com a produção de 1.745 milhão de toneladas.

Em valores, a produção cresceu 8,6% na comparação 2012-2013, saindo de R$ 56,46 bilhões para R$ 61,33 bilhões. O consumo aparente registrou aumento de 9,1%, de R$ 60,8 bilhões foi para R$ 66,3 bilhões.

Em relação ao comércio internacional, o setor exportou 7% mais, quando comparado com o ano anterior, com 255 milhões de toneladas, e importou 6% acima do registrado em 2012, ou um total de 731 milhões de toneladas. Desse modo, o saldo da balança comercial de transformados plásticos permaneceu deficitário, ultrapassando os R$ 5 bilhões – um índice 14,7% maior que em 2012.

Os investimentos tiveram crescimento de 4,8% na comparação com o ano anterior, totalizando R$ 1,97 bilhões. Já o nível de emprego no setor de transformados plásticos registrou alta de 2,2% ou o total de 7.600 postos de trabalho gerados.

Ao abordar as perspectivas para o setor de transformados plásticos para 2014, Roriz anunciou a projeção de crescimento de 1,8% na produção física, um aumento nominal de 8% e real de 2% na produção em valores, o crescimento de 9% no consumo aparente de transformados plásticos e de 2% no nível de emprego.

As estimativas mais positivas para o próximo ano serão pautadas por um cenário mais positivo na indústria de alimentos. A demanda de embalagens para alimentos será o carro-chefe da expansão do setor em 2014, contrastando com a retração de 0,3% projetada para o acumulado deste ano. “Tivemos uma inflação muito forte (em alimentos) em 2013, que não deve se manter em 2014. Além disso, o câmbio mais forte deve nos ajudar a frear um pouco a entrada de alimentos importados já embalados. Outro fator a ressaltar é a previsão de que a cadeia de alimentos, que cresceu 0,5% este ano, cresça 2,5% em 2014”, afirmou Roriz.

(Fonte: Portal Embalagem & Tecnologia / Globo Rural / ABIEF, 06 de dezembro de 2013)