PICPlast divulga nova pesquisa sobre o perfil do transformador de plástico

PICPlast divulga nova pesquisa sobre o perfil do transformador de plásticoA prioridade para os transformadores de plástico em 2019 é crescer. É o que aponta a nova pesquisa do Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, realizada em novembro de 2018. Dos 353 players ouvidos, 39,4% disseram que querem expandir seus negócios e fatores externos são os principais desafios neste sentido. A análise indica que, em 2017, 54,5% dos empresários entre os transformadores responsabilizavam a gestão interna como aspecto determinante para o crescimento e apenas 23,7% sinalizavam o impacto de movimentações externas. Em 2018, ainda há um olhar atento para dentro das empresas (53,4%), porém os números mostram que questões extrínsecas, como concorrência e cenário político-econômico, preocupam muito mais, indicadas como responsáveis por dificultar o desenvolvimento das empresas de acordo com 82% dos participantes do estudo.

O estudo também mostrou que aumentou o interesse dos transformadores de plástico por capacitação com foco em sustentabilidade. O percentual de entrevistados que demonstraram interesse pelo tema dobrou de 2017 para 2018, atingindo 10%. A busca por desenvolvimento nas áreas de gestão e inovação continuam no topo do ranking de demandas em relação à capacitação, citados por quase 40% dos participantes da análise.

O foco de quem atua na cadeia, assim como ocorreu na pesquisa de 2017, se mantém: abrir novos mercados (55,2%) por meio de produtos (46,7%). O investimento em renovação tecnológica vem logo na sequência, surgindo como prioridade para 39,9% dos ouvidos no estudo. Outro destaque é o interesse em participar de iniciativas voltadas à eficiência operacional. Ações que promovam a redução de perdas atraem 75,4% dos envolvidos com o setor enquanto 68,3% querem ter mais produtividade.

Desafios para o crescimento

Para 39,4% dos entrevistados a prioridade para os próximos 12 meses é crescer. Ao contrário da amostra do ano anterior, os números de 2018 mostram que fatores externos são as maiores preocupações da indústria de transformação. A análise indica que, em 2017, 53,4% dos entrevistados apontavam questões extrínsecas como responsáveis por dificultar o crescimento de suas empresas. Em 2018, este número saltou para 82%. Preço dos insumos (30,9%), concorrência (30,2%) e cenário político-econômico brasileiro (30,2%) são os principais pontos de atenção para este público.

De acordo com os dados da pesquisa, o perfil do transformador de plástico presente na amostra é masculino (79,3%), com mais de 35 anos (85,7%) e com escolaridade superior à graduação (83%). As empresas que esses transformadores conduzem são familiares em sua maioria (67,7%), possuem de 50 a 500 funcionários (65,3%) e estão localizadas em quase a metade no estado de São Paulo (48,4%).

A extrusão de filmes é o ramo mais citado entre os empresários participantes da pesquisa, com 39,1%, seguido por injeção (29,2%) e sopro (15,3%). Empresas que produzem embalagens ou tampas para o segmento de alimentos e bebidas estão entre as mais ouvidas pelos pesquisadores (28,3%). Também foram entrevistados transformadores que atuam na construção civil (11,3%), bobinas (11,3%), produtos para agronegócios (11,1%), peças para setor automotivo (9,4%) e embalagens para cosméticos (8,8%). Outros segmentos como fármacos, brinquedos e descartáveis aparecem com menor participação.

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem e ABIPLAST – Associação Brasileira da Indústria do Plástico, que prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação plástica. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

As frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma.

(Fonte: Blog do Plástico, 15 de março de 2019)