Mercado de inseticidas cresce na guerra contra as pragas urbanas

O mercado de inseticidas passou por uma verdadeira revolução desde a década de 60, época em que a famosa “bomba flit” fazia sucesso nos lares para combater mosquitos, baratas, moscas e outras pragas urbanas. O processo era relativamente simples: enchia-se o reservatório da bomba de lata com inseticida líquido flit ou Detefon e após borrifar os cômodos (principalmente os quartos), eles eram fechados para que o veneno fizesse efeito (em algumas horas) e os inimigos não debandassem para outros lugares da casa. Sem dúvida, essa bombinha foi a precursora dos atuais inseticidas em aerossol. Por isso, a tecnologia na formulação, com a utilização de água no lugar do solvente, proporcionou menos toxicidade sem comprometer a eficácia do produto e novas versões além da líquida – aerossol, armadilha e elétrico – e trouxe para o consumidor mais praticidade na aplicação.

Mercado de inseticidas cresce na guerra contra as pragas urbanas

Dados da Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins (ABIPLA) revelam que o mercado de inseticidas faturou em 2010 cerca de R$ 600 milhões, com mais de 100 milhões de unidades vendidas. “A categoria em aerossol foi a que mais cresceu, com um volume de vendas 5,1% maior em relação a 2009”, comenta Maria Eugenia Proença Saldanha, diretora executiva da ABIPLA. Segundo ela, o mercado também foi aquecido com outras novidades, como os inseticidas com óleos essenciais de eucalipto, casca de laranja (Dlimoneno) e citronela, de ação repelente; os automáticos que liberam o produto periodicamente e ainda as versões para serem usadas ao ar livre.

Mercado de inseticidas cresce na guerra contra as pragas urbanas

Segundo dados de pesquisa da Nielsen Brasil, o mercado de inseticidas no país teve um crescimento de 240% nos últimos cinco anos. Os inseticidas são comercializados durante todo o ano, mas as maiores vendas se concentram nos meses mais quentes e úmidos, quando os insetos domésticos aparecem com mais frequência. Os produtos são facilmente encontrados nas grandes redes de supermercado e também nos pequenos varejos e mercearias de bairro, sendo o público masculino o principal comprador desta categoria.

Pequenas em tamanho, mas com potencial enorme para tirar qualquer um do sério, as pragas urbanas, como pernilongos, muriçocas, ratos, formigas, aranhas, baratas e traças agem silenciosamente, incomodam e podem causar prejuízos econômicos e materiais ao danificarem mobílias e utensílios domésticos. Sem falar que algumas podem gerar ainda uma série de riscos à saúde dos humanos, sendo vetores de doenças infectocontagiosas, como a leptospirose e a dengue, em todas as suas variantes. Para diminuir os riscos dessas doenças, os inseticidas têm um papel fundamental. Dentre os disponíveis no mercado estão os aerossóis, líquidos, elétricos, armadinhas e iscas, cada um com uma função específica, cabendo ao consumidor a opção por cada um dos produtos:

(Fonte: Household & Cosméticos, n.73, maio/jun. 2012)