Mercado de embalagens retoma investimentos

Mercado de embalagens retoma investimentosDe acordo com matéria publicada no Jornal Valor Econômico, o mercado nacional de papéis, sobretudo para uso em embalagens, voltou a atrair atenção e investimentos. De acordo com o veículo, o alto potencial de crescimento – relativamente aos demais mercados mundiais – e, mais recentemente, medidas governamentais de incentivo, entre as quais a redução dos custos da energia e desoneração da folha de pagamentos, jogaram luz sobre a indústria e alimentam uma nova rodada de aportes no setor.

A expectativa bastante positiva se deve ao mais recente caso que foi anunciado no último dia 24 de outubro pela International Paper (IP) que vai se juntar à brasileira Jari Celulose e Papel, do grupo Orsa, em uma nova companhia de embalagens de papelão.

Os investimentos de R$ 952 milhões fazem da IP a terceira maior fornecedora local, com produção de 365 mil toneladas ao ano – volume equivalente a cerca de 9% do mercado nacional.

Atenta a esse cenário, a concorrente americana MeadWestvaco (MWV) também reforçou suas apostas no Brasil e investiu mais de R$ 800 milhões na ampliação da fábrica da Rigesa em Três Barras (SC). Com o aporte, praticamente dobrou a capacidade de produção de papel para embalagem na unidade, que chegou a 435 mil toneladas por ano. Hoje, a Rigesa é a segunda maior empresa do setor, à frente do grupo Orsa – que será substituído nessa posição pela joint venture com a IP – e atrás da líder Klabin.

A Klabin tem em curso um projeto de expansão de R$ 220 milhões em Correia Pinto (SP), porém na área de “sack kraft”, utilizado na produção de sacos industriais. A companhia anunciou ainda a intenção de investir em outra máquina de papel reciclado em Angatuba (SP), projeto que poderia consumir R$ 350 milhões, e o início de estudos para expandir a produção de papelcartão.

(Fonte: Celulose Online, 26 de outubro de 2012)