Iniciativa privada une forças para reciclagem de vidro no DF

Iniciativa privada une forças para reciclagem de vidro no DFApesar de ser reciclável, todos os dias, aproximadamente 90 toneladas de vidro são descartadas em aterros sanitários no Distrito Federal. Com desafios diversos, menos de 2% é encaminhado à reciclagem. A região não conta com recicladoras para esse tipo de material e o custo do frete para transporte dos cacos é elevado.

Em busca de soluções para a logística reversa, a Owens-Illinois (O-I), líder global na fabricação de embalagens de vidro, firmou no primeiro semestre de 2018 uma parceria com o Instituto Ecozinha para um projeto inédito em Brasília, que viabiliza o descarte e reciclagem adequados na região.

“A iniciativa busca desenvolver práticas de gerenciamento de resíduos, visando soluções ambientalmente corretas para bares e restaurantes. Desta forma, as embalagens de vidro utilizadas deixam de ir para aterros sanitários e são recicladas de forma eficiente”, conta Lúcia Moreira, Coordenadora de Sustentabilidade da O-I.

O projeto também permite que esses bares e restaurantes se adequem à Lei dos Grandes Geradores de Lixo, que prevê que estabelecimentos que produzam mais de 120 litros de lixo por dia sejam responsáveis pelo próprio descarte.

Pensando no incentivo à reciclagem do vidro, o Instituto Ecozinha disponibiliza bunkers com capacidade de até 800 kg em locais próximos aos estabelecimentos parceiros. Esses depósitos estão preparados para receber as embalagens pós-consumo.

“Quando os bunkers enchem, outra empresa parceira, a Green Ambiental, recolhe e cuida do beneficiamento do vidro para enviá-lo então à O-I, que recicla. Queríamos fazer um trabalho transformador e que incentivasse políticas públicas. A O-I acreditou nessa proposta e tivemos o apoio necessário”, diz Paulo Mello Filho, Diretor-Presidente do Instituto Ecozinha e seu idealizador.

O projeto não conta com subsídios públicos, sendo 100% apoiado por instituições privadas. Para participarem, os estabelecimentos devem se credenciar ao Instituto Ecozinha e contribuir com a taxa de manutenção mensal. Além disso, devem participar obrigatoriamente de um programa de compostagem de resíduos orgânicos, em que são produzidos adubos e fertilizantes para uso na agricultura familiar e urbana.

“Mais do que favorecer o cumprimento de uma lei, buscamos educar e conscientizar os estabelecimentos para o consumo sustentável. Estamos no início de um forte projeto ambiental. Por enquanto, nosso foco está nos grandes geradores. Mas esperamos que no futuro seja possível uma campanha de conscientização junto à comunidade, chamando todos os moradores a participarem”, complementa Paulo.

O Instituto Ecozinha é uma iniciativa privada criada para implementar ações que resultem no desenvolvimento econômico, social e cultural da sociedade e suas instituições. Atualmente, possui 46 associados, entre bares, restaurantes e hotéis.

(Fonte: Ketchum, 07 de janeiro de 2019)