Fabricantes de balas investem em inovação e tecnologia para impulsionar setor

Fabricantes de balas investem em inovação e tecnologia para impulsionar setorCada vez mais as indústrias de balas investem em inovação e tecnologia para desenvolver produtos com maior valor agregado e elevar sua competitividade. Esse processo, que começa nas empresas e termina no ponto de venda, faz parte de uma estratégia maior que tem como objetivo impulsionar o setor.

A Dori, há mais de 40 anos no mercado, investiu R$ 9 milhões em 2012 em projetos diversos em suas unidades produtivas.

“O setor está investindo também em mudanças no formato de comunicação, com novas embalagens e sabores. O objetivo é ampliar a presença nos mercado interno e externo”, explica Osmar Chaves, vice-presidente do setor de Balas da Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (ABICAB).

Outro bom exemplo vem da Peccin, que comercializa seus produtos para mais de 70 países. A empresa acaba de lançar a bala “Pura”, um produto com diferenciais significativos e, principalmente, alinhados a algumas das novas tendências do hábito de consumo, como a saudabilidade. O resultado final é uma bala mastigável, recheada e drageada, com polpa de fruta, corantes naturais e aromas naturais.

“A ideia é oferecer um produto extremamente diferenciado em sabor e textura, com investimento em matérias-primas de altíssimo padrão. Estamos passando por uma verdadeira revolução de referências, preferências e valores. Alinhar nossos portfólios às novas tendências exige uma velocidade e precisão muito grande”, afirma Leandro Sulzbach, gerente de marketing da Peccin.

De acordo com balanço da ABICAB, o setor de balas produziu, de janeiro a abril de 2013, 125.794 mil toneladas do produto.

Nos últimos dois anos, segundo dados auditados pela Mintel, no Brasil foram lançados 647 produtos para o mercado de doces e gomas de mascar, sendo que caramelos & nougats foram os que apresentaram o maior número de lançamentos, seguido por gomas de mascar em segundo lugar, balas (3º), pirulitos (4º), outros confeitos/doces (5º), balas de menta (6º), marshmallows (7º) e confeitos/doces medicinais (8º).

A Riclam foi a empresa que mais lançou produtos no período, seguida pela Arcor na segunda colocação, Florestal Alimentos em terceiro lugar, Perfetti Van Melle (4º), Sanchez Cano (5º), Docile Alimentos (6º), Vonpar Alimentos (7º), Peccin (8º), Dori Alimentos (9º) e Kraft Foods (10º).

As embalagens flexíveis foram as mais utilizadas para embalar os produtos no período, seguidas por caixa de cartão em segundo lugar, sachê na terceira colocação, estojo em quarto, sistema clam-pack (embalagens termoformadas) em quinto, bandeja em sexto, stand-up pouch em sétimo, blister em oitavo e frasco com o nono lugar.

Nas embalagens o plástico foi o material mais utilizado, seguido por papel (laminado enrugado e simples) na segunda colocação, papelcartão (branco sólido, branco enrugado e kraft marrom enrugado) em terceiro e película metalizada em quarto lugar.

Fabricantes de balas investem em inovação e tecnologia para impulsionar setor

(Fonte: Portal ABICAB / Centro de Informações ABRE, 12 de julho de 2013)