Embalagens metálicas para tintas driblam lado conservador e apostam na inovação

Embalagens metálicas para tintas driblam lado conservador e apostam na inovaçãoO mercado de embalagens metálicas para tintas tem evoluído significativamente nos últimos anos. Conforme destaca Thaís Fagury, gerente executiva da ABEAÇO – Associação Brasileira de Embalagem de Aço, foram muitos os avanços na produção de embalagens de aço na última década, pois surgiram ferramentas que possibilitaram maior velocidade, segurança, novos formatos e litografias diferenciadas para o segmento de tintas. Como exemplo, Thaís cita a litografia 3D e a litografia texturizada lançadas pela Litografia Valença, que são inéditas no mundo. Outras opções são as latas TOp (Total Opening) e TOp Gun, da Brasilata, que devido à expansão e à ausência do anel metálico, consomem menos aço, pesando menos e reduzindo a emissão de gases de efeito estufa; e a lata de 25 kg da Novalata para texturas, massa corrida e complementos com preço mais atrativo, porém com todas as características que a lata de aço proporciona como barreira total à umidade, resistência a choques, quedas e empilhamento, segurança, entre outras.

Entretanto, parte dos empresários do segmento de embalagens para tintas ressalta que, em termos de evolução, ainda existe muito para desenvolver e aprimorar, principalmente pelas dificuldades impostas pelos altos níveis de investimentos necessários e por ser um mercado conservador em relação a novos formatos e volumes de embalagens. “Apesar do mercado de tintas ser mais conservador, as indústrias estão plenamente capacitadas para projetos inovadores”, reconhece Adriano Marson, Gerente Comercial da Companhia Metalgráphica Paulista.

Para a maioria dos profissionais do setor, como Ricardo Montenegro, Diretor de Operações da Trivisan, os desafios são enormes, principalmente no que diz respeito à eficiência de produção e redução dos custos de uma forma geral. “O mercado passa por um momento onde os preços e as margens estão reduzidas, pressionados pelos constantes aumentos de insumos de produção. Por outro lado, os preços de venda não crescem de maneira proporcional, por conta da concorrência que precisa ocupar sua capacidade de produção ou parte dela”, diz e completa: “consideramos um caminho perigoso para todos do setor que não conseguem a mesma velocidade de reposição dos aumentos recebidos”, constata Montenegro.

Outro fator indicado pelos fabricantes é o próprio mercado que não cresceu da forma esperada no primeiro semestre de 2012, forçando ainda mais os preços para baixo.

Apesar dos desafios, o mercado de embalagens metálicas é muito promissor e cheio de oportunidades, principalmente por considerar a construção civil demandada e os eventos que estão para acontecer no país – como a Copa do Mundo e as Olimpíadas.

Dentre as inovações disponíveis no mercado, a Brasilata apostou num conceito inovador e desenvolveu o Barricaço, uma barrica fabricada com folha de aço de 0,22 mm de espessura, ideal para o segmento de massa corrida. Embora mais frágil que o balde convencional (normalmente produzido com folha de aço 0,34 mm), o Barricaço possibilita uma redução de mais de 35% no peso da embalagem e, conforme explica José Maria Granço, Diretor da Divisão Química da Brasilata, assegura resistência, estabilidade e suporta transporte em curtas distâncias, além de ser 100% reciclável.

Por se uma embalagem rígida, a fabricante admite que esta barrica não estufa e por ser de aço não absorve umidade durante todo o ciclo de uso de massa corrida. Facilita ainda o total aproveitamento do produto pastoso e permite envase rápido nas linhas de enchimento, além de que a nova barrica possui uma estética altamente valorizada pela litografia na folha de aço.

A Litografia Valença disponibiliza para o mercado de tintas e vernizes as tradicionais latas de 18 litros e galão (3,6 litros), mas tem como forte destaque em linha a tecnologia inédita de reprodução de texturas e efeitos 3D em latas. “A grande vantagem para a indústria de tintas é que, no caso destas embalagens diferenciadas, o rótulo das latas texturizadas exibe o resultado final do produto aplicado”, explica o Gerente Comercial, Paulo Arantes, lembrando que no mercado estas latas podem ser encontradas em produtos premium e de marcas consagradas como AkzoNobel (no Sparlack Cetol) e BASF (no caso as latas de 18 litros Suvinil Texturato Rústico e Suvinil Texturato Clássico).

Com um perfil de empresa inovadora, buscando sempre se diferenciar no mercado, a Companhia Metalúrgica Prada lançou a lata de 18 litros com tampa de 210 mm utilizada para massas e texturas, e a linha Safeti Can ¼ galão sem anel e com tampa e lacre que têm a vantagem de permitir maior aproveitamento do produto, além de garantir sua inviolabilidade.

O lançamento mais recente da Prada para o setor é a lata de 14 litros para tintas ou 25 Kg para massa e texturas com tampa de 170 mm. A empresa garante que investiu nesse produto  porque o mercado percebeu a necessidade de demanda por embalagens intermediárias entre 1/1 galão e 18 litros.

Texto editado pelo Centro de Informações ABRE

(Fonte: Tintas & Vernizes, n.262, ago./set. 2012)