Crescimento da venda de latas no Brasil é expressivo, mas sofre impacto com elevação do preço das bebidas

Crescimento da venda de latas no Brasil é expressivo, mas sofre impacto com elevação do preço das bebidasO resultado anual das vendas de latas para bebidas foi, mais uma vez, superior ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), mas reflete uma certa preocupação do consumidor brasileiro em equilibrar suas finanças pessoais. O Brasil consumiu 21,5 bilhões de unidades em 2013, um número 3,3% superior ao registrado no ano anterior. “É um resultado expressivo, mas abaixo do esperado em função, principalmente, do desaquecimento do mercado de bebidas”, avalia Carlos Medeiros, presidente da ABRALATAS.

A cerveja, bebida que utiliza a lata em 40% de sua produção, apresentou queda no consumo em 2013, motivada em grande parte pelo aumento de impostos sobre o produto e pela elevação do preço nas gôndolas.

Dois fatores impactaram positivamente as vendas deste ano no Brasil: os novos formatos e a Copa das Confederações. “No primeiro caso, as latas em formato e tamanho diferentes da embalagem tradicional de 350 ml conquistaram espaços importantes e hoje representam aproximadamente 30% da produção”, explica Renault Castro, diretor executivo da ABRALATAS. “Há oito anos, não chegavam a 0,5% das latas produzidas”.

“Estas latas, que chamamos de ‘especiais’, têm sido importantes para que as marcas de bebidas possam oferecer os mais variados tipos de embalagens para seus diferentes consumidores e canais de distribuição”, analisa Medeiros.

Apesar do preço elevado, o consumo de bebidas registrou leve crescimento em junho, durante a Copa das Confederações. Segundo o Sistema de Controle de Produção de Bebidas (SICOBE), a indústria de cerveja apresentou uma recuperação, crescendo 4% em relação a junho de 2012. Renault lembra que o mês sempre registra baixa venda de bebidas no Brasil, por ser um período frio. “Foi um evento-teste para a Copa do Mundo em todos os sentidos, inclusive sobre o consumo no país-sede. É natural que um evento internacional provoque um resultado positivo”.

As vendas de latas para bebidas em 2013 foram surpreendentemente relevantes na região Nordeste, com a chegada de novas fábricas de latas, segundo Carlos Medeiros. “O consumo de latas nessa região cresceu acima da média nacional. O bom desempenho é influenciado, principalmente, pelos recentes investimentos realizados por grandes fabricantes de bebidas e também pela introdução das latas especiais nestes mercados”, explica o presidente da ABRALATAS.

Com boas expectativas para 2014, o setor se preparou para ampliar o fornecimento da lata de alumínio e aproximar as fábricas dos produtores de bebidas. A Rexam inaugurou sua décima primeira fábrica no país em Benevides (PA), e a Latapack-Ball passou a produzir também em Alagoinhas (BA), quarta unidade da empresa no Brasil. Já a Crown Embalagens está prestes a fornecer latas de alumínio em Teresina (PI), abrindo sua quinta unidade no Brasil.

Em 2013, a capacidade de produção de latas para bebidas alcançou 28 bilhões de unidades, em mais de 10 formatos diferentes, e fechou o ano com 23,2 bilhões de latas produzidas.

Crescimento da venda de latas no Brasil é expressivo, mas sofre impacto com elevação do preço das bebidas

(Fonte: Notícias da Lata, 02 de fevereiro de 2014)