Brasileiro bebe mais suco, água e vodca

Brasileiro bebe mais suco, água e vodcaCom menos dinheiro no bolso por causa da inflação em alta e mais dívidas para pagar, o brasileiro compra menos cerveja e refrigerante. Mas bebe mais suco pronto, chá, água mineral e vodca.

No varejo, segundo dados da consultoria Nielsen, as vendas de suco pronto, em volume, cresceram 10,5% nos primeiros oito meses de 2013 em relação ao mesmo período de 2012. A expansão para chá líquido foi de 10,4%, e o de água mineral, 9,8%. Essas categorias já vinham crescendo em 2012.

As vendas de refrigerantes recuaram 4,3% até agosto. A sua produção, segundo o Sicobe (sistema de controle da Receita Federal), encolheu 3,7% em 2013. “Suco cresce a cada ano, com o consumo ligado a novos hábitos e independe de pressão inflacionária”, disse Fabio Gomes, analista da Nielsen. Produtos com apelo saudável, práticos e com maior valor agregado são tendências identificadas pela Nielsen no consumo do brasileiro.

Na cesta de bebidas alcóolicas, a cerveja acentuou a queda nas vendas em volume: 1,2% em 2012 e 3,9% entre janeiro e agosto de 2013. A vodca continuou crescendo. E o uísque inverteu a tendência – depois de crescer 10,4% em 2012, o volume caiu 2,1% em 2013.

Segundo a Diageo, dona das marcas líderes Smirnoff (vodca) e Johnny Walker (uísque), o brasileiro vem sofisticando o consumo de bebidas destiladas. “Em cinco anos, o mercado de uísque cresceu 60% em valor, e o de uísque importado dobrou de tamanho”, diz Álvaro Garcia, diretor de uísque escocês da Diageo. Ele diz que o brasileiro procura garrafas “premium”, e os segmentos que mais crescem são os de bebidas com mais de 12 anos. O mesmo acontece com a vodca.

Em 12 meses, até novembro, o mercado de vodca cresceu 15%, para R$ 1,7 bilhão, e o de uísque, 11%, para R$ 2 bilhões, diz Garcia.

A venda de água mineral engarrafada aumenta há três anos no país. Apenas no primeiro semestre, as vendas de água no varejo cresceram 14,8% em comparação com 2012, para R$ 1,56 bilhão. Stephanie Biglia, analista da Nielsen, disse em setembro que os investimentos das fabricantes em novas embalagens e tamanhos e também em mídia fizeram crescer a exposição da categoria nos supermercados e entre os consumidores. A Brasil Kirin, por exemplo, dona da marca Schin, aumentou em 60% a verba para a água em 2013.

A queda na produção de refrigerantes em 2013 não é uma surpresa. Em entrevista ao Valor em novembro, o mexicano José Ramón Martínez, presidente da Femsa no Brasil, disse que tanto as vendas para “ocasião futura de consumo” (supermercado) como as de “consumo imediato” (bar e restaurante) desaceleraram. Ele atribuiu o desempenho do setor às condições macroeconômicas do país.

(Fonte: Supermercado Moderno, 06 de janeiro de 2014)