Agilent, ITAL e IQ/UNICAMP firmam parceria para pesquisa de contaminantes inorgânicos em alimentos e embalagens

Agilent, ITAL e IQ/UNICAMP firmam parceria para pesquisa de contaminantes inorgânicos em alimentos e embalagensA Agilent Technologies, a principal empresa mundial em medição analítica; o Grupo GEAtom, do Instituto de Química da UNICAMP; e o ITAL – Instituto de Tecnologia de Alimentos (por meio dos seus Centros de Ciência e Qualidade de Alimentos – CCQA e de Tecnologia de Embalagem – CETEA), firmaram parceria para estudo da presença de contaminantes inorgânicos em diferentes alimentos (como chás, bebidas, azeites, arroz) e para o desenvolvimento de metodologias que visam garantir a segurança alimentar, autenticidade e controle de qualidade de alimentos. O projeto será desenvolvido em três etapas, que incluem também o estudo da migração de metais de embalagens plásticas para alimentos (principalmente contaminantes como arsênio, cádmio, crômio, chumbo e mercúrio presentes em embalagens plásticas coloridas comumente utilizadas no acondicionamento de alimentos) e estudo de bioacessibilidade e biodisponibilidade de nutrientes e elementos tóxicos em alimentos, com a finalidade de determinar a fração do nutriente ou contaminante que pode ser absorvida pelo organismo.

“As novas tecnologias colocadas à nossa disposição permitirão o desenvolvimento de estudos relacionados à presença de microelementos minerais, de contaminantes inorgânicos, de diferentes espécies químicas de metais em alimentos e embalagens, além de possibilitar a análise de espécies inorgânicas bioacessíveis presentes nos alimentos. Para o sucesso destes estudos são necessárias técnicas analíticas suficientemente sensíveis e seletivas”, informa o pesquisador científico Dr. Marcelo Antonio Morgano (ITAL). Os estudos sobre migração de contaminantes inorgânicos de embalagens para os alimentos e sobre a bioacessibilidade/biodisponibilidade de nutrientes e elementos tóxicos em alimentos são coordenados pela pesquisadora Elisabete Segantini Saron (ITAL) e pela Professora Doutora Solange Cadore (UNICAMP/Instituto de Química), respectivamente.

O acordo com o ITAL faz parte do Programa de Segurança Alimentar da Agilent no Brasil e “esta pesquisa irá resultar em novas aplicações e métodos de análise de metais totais e por espécie química, que poderão ser utilizados por outros laboratórios de análise de alimentos ou indústrias, melhorando a qualidade dos alimentos que consumimos”, explica o químico André Santos, responsável pelo programa de segurança alimentar da Agilent no Brasil.

Pela parceria, a Agilent fornece o sistema completo de análise, que inclui os equipamentos ICP MS Agilent 7700 x e o LC Agilent 1260, adequados também para otimizar o espaço reduzido de laboratórios. O sistema empregado na parceria com o ITAL conta também com o item opcional para introdução de oxigênio no plasma para análise direta de amostras com caráter orgânico, recurso especialmente importante no estudo de óleos de oliva e outros ácidos graxos. “O Sistema Agilent 7700 x possui detector com cerca de nove ordens de magnitude de resposta linear, que permite ao pesquisador, num único método, determinar concentrações muito diminutas –  em níveis de partes por trilhão, isto é 0,000000001 %, a altos níveis de concentração, cerca de 1%”, informa Fabio Silva, cientista de aplicações do Programa de Segurança Alimentar da Agilent. A parceria se estende até fins de 2013, podendo ser prorrogada, dependendo da necessidade das instituições de pesquisas envolvidas.

Além da parceria com ITAL, o Programa de Segurança Alimentar da Agilent, tem um acordo de colaboração com Laboratório de Pesquisas da Universidade de Santa Maria, no sul do país, para identificação e quantificação de contaminação por pesticidas em alimentos.

(Fonte: Guia da Embalagem, 14 de fevereiro de 2013)