A arte deve estar na embalagem

A arte deve estar na embalagemPara garantir o sucesso de sua embalagem é necessário saber como o padrão GS1 Brasil pode contribuir com a eficiência da cadeia de suprimentos do início ao fim, além de sua correta aplicação.

A arte em código de barras aplicada em produtos/unidades logísticas não é recomendada pela GS1 Brasil, pois se utilizada de forma incorreta diminui a eficácia na leitura do item no centro de distribuição, no ponto de venda e no check out. Pode ser muito bonito, mas o produto perde.

Os códigos de barras com as especificações recomendadas pela GS1 garantem leitura 26% mais rápida; melhor experiência de compra ao consumidor (20% dos compradores já ficaram descontentes em função de códigos de barras de baixa qualidade); aumento da eficiência operacional do varejo (em média, operadores de caixa gastam 23 segundos para resolver problemas de leitura de código de barras); e a aceitação do código impresso no mundo todo. Ganha o produto, ganha o fabricante, satisfaz o consumidor.

A sugestão é que arte seja confeccionada no entorno do código de barras (respeitando suas especificações técnicas) ou faça parte da própria embalagem, num contexto mais amplo do que a região onde está o código.

Os itens com códigos de barras padronizados e certificados pela GS1 têm maior aceitação no varejo internacional e comprovação de qualidade, aumentando sua performance no mercado global.

Ser identificado é tão importante quanto ser reconhecido por uma embalagem atrativa. Embalagem é a alma do negócio, e o Código de Barras é a identidade do produto.

Para saber mais sobre os padrões de Códigos de Barras GS1 acesse www.gs1br.org

(Fonte: GS1 Brasil, 30 de agosto de 2012)