Palavra da Presidente

Gisela SchulzingerComo dizia Charles Darwin “Não é o mais forte da espécie que sobrevive, nem o mais inteligente. É aquele que se adapta melhor às mudanças. ”

Esta é uma reflexão antiga que se torna absolutamente contemporânea e que acredito que seja o grande desafio da atualidade.

Surgiram novas demandas, e por consequência, a meu ver, o papel da Associação também mudou.

Nesse sentido a ABRE, além de integrar, representar e dar suporte ao setor para fortalecê-lo e valorizá-lo ainda mais, estimulará as empresas a buscar novas abordagens e novas soluções. Estimulará, inclusive, certa ousadia.

Considero que temos dois temas centrais a tratar além de todos os outros que já tratamos:

  • o aumento da competitividade da indústria de embalagem
  • o fomento à inovação estimulando e incentivando os esforços e investimentos nessa área

A inovação, mais do que ser um departamento dentro das empresas, deve ser, hoje, parte da cultura, todos devem ser estimulados a pensar de forma inovadora, promovendo assim desde pequenas mudanças a grandes transformações.

Isso exige uma nova atitude, que pressupõe a aceitação da interdependência, aceitação de que tudo e todos estão conectados e que tudo se relaciona de forma sistêmica, ou seja, um interferindo no outro. O conceito de valor compartilhado é imperativo.

Portanto, para que o setor de embalagem seja protagonista desse futuro e mantenha-se relevante, deverá rever seu papel, redefinir seus caminhos e sair da sua zona de conforto e a ABRE estará sempre à disposição para encorajar e apoiar todos esses movimentos.

Gisela Schulzinger