Nova solução de embalagem flexível para alimentos e bebidas chega ao Brasil

Citação

Nova solução de embalagem flexível para alimentos e bebidas chega ao BrasilA brasileira Tradbor Stand-Up Pouches, sócia da italiana Gualapack Group desde julho de 2015, já está comercializando no Brasil o exclusivo sistema Gualapack de pouch com bico e tampa ideal para o uso em alimentos pastosos e bebidas. Mundialmente consagrado, o sistema reúne tecnologia de ponta e o expertise da líder mundial em todas as etapas de produção da embalagem: utilização de um laminado de alta barreira (filme multicamadas), produção do pouch, injeção de bicos e tampas e máquina de envase. “O sistema Gualapack é o único, na área de flexíveis, totalmente integrado e justamente por isso, nos últimos anos, vivemos um boom de aplicações, especialmente nos Estados Unidos e Europa”, explica Alan Baumgarten, diretor Executivo da empresa no Brasil.

Além de todos os atributos inerentes à embalagem flexível – leveza, compatibilidade ambiental, diversidade de formatos e volumes, conveniência e praticidade para o consumidor final, o sistema Gualapack se destaca pelo alto nível de segurança alimentar. “Inclusive estamos em fase de certificação BRC, baseada na norma global de segurança alimentar e concedida pelo BRC (British Retail Consortium).” A norma demonstra o nível de competência da embalagem em termos de higiene, segurança alimentar e sistemas de qualidade, e comprova o compromisso da empresa com a segurança do consumidor. A Tradbor será a segunda empresa de embalagem flexível no Brasil a conquistar esta certificação.

Outra vantagem técnica do sistema Gualapack é a possibilidade de envasar o produto pasteurizado (hot fill). Como explica Alan, “o envase a quente é feito pelo bico, evitando head space (espaço vazio) na embalagem que pode oxidar o produto. Feito o envase, a embalagem passa por um túnel de pasteurização por vapor que esteriliza todo o conjunto. Este tratamento térmico, aliado à alta barreira da estrutura da embalagem, aumenta consideravelmente a vida de prateleira do produto e torna o sistema perfeito para bebidas (alcoólicas e não alcoólicas), energéticos, alimentos como baby food, snacks, purês de frutas, lácteos e iogurtes, molhos e sobremesas”.

A Gualapack Group é líder mundial em pouches pré-formados; ao todo são 10 fábricas em 07 países, que atendem, globalmente, marcas de peso nas indústrias de alimentos e não alimentos, como Nestlé, Heinz, Andros, Danone, Unilever, entre outras. As estruturas das embalagens são desenhadas a partir da necessidade do cliente/produto, podendo ser duplex, triplex ou quadruplex, com ou sem barreira; os volumes mais utilizados variam de 40 ml a 750 ml. “A proposta é atender ao mercado com competência e uma solução completa em embalagem. Afinal, a eficiência na produção, o caráter inovador e a responsabilidade ambiental são as principais características do sistema Gualapack e contribuíram para sua posição de líder nestes 25 anos de história”, finaliza Alan.

(Fonte: Assessoria de Imprensa daTradbor Stand-up Pouches, 09 de março de 2016)

Dow premiará projetos que combatam o desperdício de alimentos na América Latina

Citação

DowDow confirma sua posição no setor de plásticos e adesivos ao destacar uma ação precursora no segmento de embalagens. O Diamond Award 2016, concebido pela área de Embalagens para Alimentos e Especialidades Plásticas da Dow, destacará os melhores projetos desenvolvidos pelos clientes da companhia e que tenham como propósito a redução do desperdício de alimentos.

Os cases participantes no Diamond Award terão como desafio propor soluções para embalagens que incentivem a indústria a desenvolver alternativas e inovações para tópicos como:

  • tamanhos mais apropriados para cada ocasião de consumo;
  • aumento do tempo de vida útil antes e após abertura;
  • melhores soluções de dosagem;
  • possibilidade de utilização integral do produto, sem excedentes ou perdas;
  • redução nos danos causados durante o transporte com soluções de unitização.

Bruno Pereira, Gerente de Marketing para Novos Negócios e Sustentabilidade de Embalagens e Plásticos de Especialidade da Dow para a América Latina, destaca a importância do prêmio: “O Diamond Award é uma iniciativa que promove o pioneirismo ao incentivar o desenvolvimento de projetos que levam inovação e sustentabilidade à indústria de plásticos na América Latina”.

Dados da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação) indicam que um terço de toda a produção de alimentos é desperdiçado. Estima-se que o prejuízo com o desperdício de alimentos no mundo todo alcance US$ 750 bilhões por ano (FAO/2013). Desse montante, 46% ocorrem nas etapas de processamento, distribuição e consumo.

Além do Brasil, o Diamond Award abrangerá os projetos do México, Chile, Peru e toda região Andina, formada por Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela.

(Fonte: Envolverde, 24 de fevereiro de 2016)

Mercado consumidor exige embalagens mais sustentáveis

Citação

Mercado consumidor exige embalagens mais sustentáveisUma pesquisa aponta que 61% dos consumidores norte-americanos têm considerado as embalagens mais sustentáveis ao decidir qual produto comprar, e quase 70% considerariam trocar de marca se elas comprovassem melhores práticas ambientais. Em sintonia com essa tendência, a Novelis América do Norte amplia as vendas da evercycle, primeiro portfólio da indústria a oferecer um produto com alto conteúdo reciclado para o mercado de especialidades.

No caso de embalagens para alimentos, a evercycle é o único produto a conter 100% de conteúdo reciclado, sendo 90% do conteúdo advindo de produtos pós-consumo (enviados para reciclagem após utilização pelo consumidor) e 10% advindo de sucata do processo produtivo. “Parceiros estratégicos, tanto do mercado automotivo quanto industrial, além de embalagens, estão interessados em substituir ligas atuais por ligas com alto conteúdo reciclado”, ressalta Brad Thomas, diretor de vendas e marketing para folhas da Novelis América do Norte, que confirma a negociação com grandes marcas como Walmart, Target e Kroger. Hoje, a equipe de folhas da Novelis América do Norte atende principalmente três mercados: embalagens para alimentos, trocadores de calor para o setor automotivo e setor industrial.

(Fonte: Novelis News, fevereiro de 2016)

Marajoara aposta em tecnologia de realidade aumentada para garantir interatividade com o consumidor

Citação

Marajoara aposta em tecnologia de realidade aumentada para garantir interatividade com o consumidorA Marajoara Alimentos inovou ao lançar no Brasil a primeira embalagem longa vida com a tecnologia de realidade aumentada, por meio do aplicativo Zappar. Agora, é possível escanear, com um smartphone ou tablet, o código impresso nas embalagens do leite condensado Marajoara e se surpreender com as animações, vídeos, elementos 3D, áudios e imagens. A novidade está disponível nas embalagens combiblocSmall de 395 g e de 198 g (meia porção), da SIG Combibloc.

Para ter acesso à realidade aumentada basta baixar o aplicativo Zappar, instalar e apontar a câmera para o código impresso no verso das embalagens do leite condensado Marajoara. Quando o conteúdo oculto ganha vida, um vídeo convida o consumidor a preparar sua própria sobremesa com leite condensado, tirar uma foto e participar do projeto – além de receber dicas para deixar o pudim ainda mais saboroso. Também é possível ver as fotos de outros participantes e acessar receitas deliciosas diretamente do site da Marajoara. Além disso, o contato com o SAC da Marajoara é mais fácil, já que o número do telefone e o e-mail estão disponíveis a um clique.

Tradicional cliente da SIG Combibloc e um dos maiores laticínios de Goiás, a Marajoara possui quatro linhas de envase da empresa, em quatro unidades fabris na cidade de Hidrolândia (GO). A máquina CFA 712, com capacidade para envasar até 12 mil embalagens por hora, é a responsável por envasar o leite condensado Marajoara no formato combiblocSmall de 395 g e de 198 g, graças à sua flexibilidade.

“Ainda neste ano, a Marajoara lançará mais produtos com a tecnologia da realidade aumentada. A inovação é sempre prioridade para nós. Aguardem!“, afirma André Junqueira, diretor da Marajoara. A empresa atua no segmento de lácteos desde 1988 e hoje está entre as seis marcas mais vendidas da região Centro-Oeste. Os investimentos constantes possibilitam à Marajoara oferecer um portfólio completo e expandir sua atuação no mercado.

A realidade aumentada é uma inovação possível graças a uma parceria com a Massfar, empresa autorizada que trouxe para o Brasil a tecnologia europeia para dar vida a conteúdos ocultos. Assim, as embalagens podem mostrar animações com vídeos, jogos, elementos 3D, áudios e imagens. Aplicando o código Zappar na embalagem, o conteúdo ganha vida na tela do smartphone ou tablet, proporcionando uma total interatividade entre empresas e seus consumidores.

(Fonte: Portal Embanews, 15 de fevereiro)

Entenda como a Forno de Minas adaptou a embalagem do pão de queijo ao mercado americano

Citação

Entenda como a Forno de Minas adaptou a embalagem do pão de queijo ao mercado americanoEm 2015, a Forno de Minas entrou com um de seus produtos nos Estados Unidos. Para abrir mercado na terra do Tio Sam foi escolhido o Pão de Queijo Assado Congelado, na versão de 240 gramas, que também é comercializado no Brasil. Sua embalagem é uma adaptação de textos, sugestões de consumo e informações técnicas contidas na nova comunicação que o quitute ganhou no mercado nacional.

A principal mudança foi na parte visual e gráfica. “Na embalagem que utilizamos aqui existe uma transparência na parte frontal e lateral da embalagem, que permite ao consumidor olhar o produto. Na adaptação para uso internacional, mantivemos a transparência só na lateral. No lugar, incluímos a foto de uma linda cesta de pão de queijo, mostrando um produto bonito e sugerindo o consumo”, detalha Gabriela Cioba, international business manager da Forno de Minas.

O tom de brasilidade está marcado pelo destaque dado ao nome do produto em português, no topo da embalagem, “pão de queijo”. Apenas na segunda linha é feita a tradução do quitute, “cheese roll”. Nesse processo, de acordo com Gabriela, o maior desafio foi ter a certeza de que a adaptação apresentaria o produto para um consumidor que não conhece pão de queijo.

(Fonte: Blog Fispal Tecnologia, 09 de março de 2016)